Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Chocolate &Pimenta

Um blog cativante, animado e com tudo o que uma jovem mulher gosta. Beleza. Moda. Cosméticos. Viajens. Vida Suadável. Receitas. Livros. Decoração. Inspiração. E passatempos com produtos de grandes marcas.

Chocolate &Pimenta

Um blog cativante, animado e com tudo o que uma jovem mulher gosta. Beleza. Moda. Cosméticos. Viajens. Vida Suadável. Receitas. Livros. Decoração. Inspiração. E passatempos com produtos de grandes marcas.

O gesto nobre de doar sangue

     Um ato solidário e de grande importância que não consome quase tempo nenhum é doar sangue. Uma doação pode ajudar até três pessoas, pois cada colheia é dividida em hemácias (globulos vermelhos), plaquetas e plasma. Este ato solidário é muito importante, porque não se consegue fabricar sangue artificialmente.

 

     Uma doação extraí cerca de 450 mL de sangue - menos de dez por cento do sangue do doador -, a colheia demora cerca de 4 a 10 minutos. No entanto, antes de se proceder à colheita há um conjunto de teste para perceber se o doador está em condições de o fazer ou não, pelo que o processo completo demora cerca de 40 minutos. O nosso organismo repõe o sangue doado durante as primeiras 24 horas, sendo que apenas se precisa de ter uns pequenos cuidados na véspera e no dia da colheita.

 

IPST_Vodafone_ZWAME.jpg

 

     Os cuidados passam por se hidratar com água ou chá, evitar grandes períodos de exposição solar, evitar exercício físico. Se a colheita for de manhã deve tomar o pequeno almoço, se for depois do almoço deve aguardar 3 horas, devido à digestão.

 

     Doar sangue não altera o peso, nem a densidade do sangue, não vicia, não dói, pode se fazer quando se está de dieta e a mulher pode doar durante a menstruação. Há algumas restrições, como ter feito uma tatuagem à menos de um ano.

 

     As mulheres podem doar de 4 em 4 meses e os homens de 3 em 3. Para poder doar tens de ter mais de 50 kg, ser saudável e ter mais de 18 anos.

 

     O que te deve motivar a doar sangue é o facto de estares a ajudar alguém que precisa, no entanto deverás-te informar sobre os teus direitos como doador de sangue.

 

 

 

 

Um abraço,

Cláudia.

Segue-nos

Adeus, África | João Céu e Silva

 

SAM_0399_ps.jpg

 

     Adeus, África é um livro que na minha opinião tem muitos pontos positivos. Pontos esses que me fizeram gostar ainda mais dele. O primeiro ponto que vou referir é a capa, acho que tem muito a ver com o livro apesar de ser bem mais moderna do que a época de vida das personagens. As margens parecem quase como um papel daquele tempo que sobreviveu até hoje mas não ileso. As nuvens que semi cobrem as letras fazem lembrar memórias distantes e histórias não contadas. É quase como se a capa fosse um retrato de uma das personagens, não vou dizer qual, pois lendo o livro rapidamente se percebe qual é ;)

 

     Segundo ponto, é a forma continua como se desenrola o texto. Apesar de haver várias frentes da história, distintas em tempo, espaço, personagens e por vezes em facetas dos envolvidos, a história é narrada com poucos capítulo não numerados e várias quebras de uma linha ou aerogramas que fazem a transição entre as narrativas.

 

     Um terceiro detalhe, que se torna muito importante por nos fazer identificar com a época em causa é as Cartas de Guerra ou aerogramas. Aparecem para criar a transição entre o tempo e espaço de que vos falei ainda agora, mas acabam por nos mostrar "o cá e o lá" daquele tempo. Irei transcrever a primeira Carta de Guerra que aparece no livro, todas começam com a mesma introdução o que nos dá a sensação de que estamos mesmo a ouvi-la na rádio...

 

 

Bom dia, ouvintes da Rádio Futuro! Nova manhã, nova história... Sem mais demoras, vou ler a Carta da Guerra escolhida pelo júri para o nosso programa de hoje. Parabéns ao vencedor: «Queria enganar-me e por isso pedi a um escultor que reproduzisse o meu filho morto num pedaço de pedra. E ele, a troco de dinheiro, lá esculpiu o bloco de forma muita perfeita. Espantei-me porque só lhe dera uma fotografia a preto-e-branco e o resultado do trabalho do artista fez com que voltasse a ter aquela criança crescida sempre a fazer-me companhia na sala. Havia dias em que sentia mais saudades dele e então mudava a estátua para as outras divisões da casa. Tantas vezes o fiz que acabei por adaptar a base da bilha do gás como se fosse um carrinho e, puxando por uma corda, levava o adolescente-soldado atrás de mim como se estivéssemos a conversar ainda nos tempos de antigamente. Quem me visse de longe até pensaria que eu puxava o aspirador de uma parte da casa para a outra; só quem observasse de perto é que veria que aquele pedestal com rodas não era um electrodoméstico mas uma recordação.»

 

 

     Um quarto ponto é de que o autor consegue um equilíbrio entre a ficção e a nossa história; e entre a ação e a descrição do ambiente. Quinto ponto, o autor consegue ligar-nos à história de uma maneira intensa, há momentos em que sentimos o que as personagens sentem, há momentos que sentimos pena, há momentos que sentimos ódio, curiosidade, medo e há momentos em que ficamos de coração apertado. A história é narrada na primeira pessoa por um psicólogo, no entanto há diversos momentos em que é narrada por outras personagens o que ajuda a nos conectar com os acontecimentos.

 

     Para terminar, o autor consegue na perfeição contar-nos a história pela melhor ordem. Ele anda para a frente e para trás no tempo, mas com isso consegue fazer com que a nossa curiosidade cresça e o apego pelas personagens seja grande. Gostei muito do livro e tenho a dizer que o recomendei a um amigo no mesmo dia em que o terminei :)

 

SAM_0400.JPG

Contracapa: Adeus, África de João Céu e Silva

 

 

Título original: Adeus, África - A História do Soldado Esquecido

Autor: João Céu e Silva

Editora: Guerra e Paz

1º edição: Junho de 2015

Segue-nos